1/5
Os pets no período das chuvas

Já dizia nossas mães que não somos feitos de açúcar, mas e os pets? Quais os perigos da chuva para eles?

Brasília, Outubro de 2020
Por Clínica Pompeu

No geral não há gravidade em o animal pegar chuva, desde que não seja aquela chuva torrencial. Nessas épocas com dias seguidos de chuva o ideal é manter a rotina do animal escolhendo períodos onde a chuva é mais branda.

 

A veterinária da Clínica Pompeu, Camila Maximiano, orienta andar com guarda chuva e tentar ficar próximo de locais com abrigo, caso a chuva aumente. Hoje há capas de chuva e sapatos impermeáveis para animais, que podem ser encontrados em petshops.

Caso for pego de surpresa pela chuva longe de abrigo não se desespere e mostre segurança ao animal. Se possível, carregue-o no colo até encontrar local protegido. Cuidado com o caminho onde o animal andará, para que não tenha o risco de ser levado por correnteza, afogamento ou contato com água contaminada.

 

Não deixe o cão beber a água das poças de chuva, ele pode desenvolver algum tipo intoxicação e contrair leptospirose e vermes. “No chão há presença de diversos agentes patogênicos e sujeiras que não vemos e que com as chuvas podem se diluir ou ser trazidas por enchentes. É importante não deixar o animal ingerir águas empossadas de chuva para evitar qualquer doença”, afirma a veterinária. Caso animal apresente vômitos, diarreias, ou qualquer alteração o leve ao médico veterinário.

 

Mantenha a vacinação em dia para proteger, principalmente, contra leptospirose, que em épocas de chuva aumenta muito a contaminação pela urina de rato em águas empossadas e de enchentes. Além disso dê vermífugo rotineiramente.

 

Camila diz que se o animal ficar molhado, ele corre o risco de desenvolver dermatites. Com a umidade a pele sofre alterações que favorecem a multiplicação de bactérias e fungos. Junto com o calor isso pode acontecer mais rápido. A dermatite causa muito incômodo e pode evoluir para casos graves.

 

Nunca o deixe secar naturalmente. Mantenha locais onde ele fica, como caminhas ou panos, secos e limpos. Caso molhe só as patinhas pode ser usado lenços umedecidos para limpeza e secar bem entre os dedos e os pelos com secador. “O mais importante é secar bem os pêlos do animal. Por vezes só uma toalha pode funcionar, mas o ideal é usar um secador e garantir que os pelos estejam bem secos. Cuidado quando usar o secador comum de casa: mantenha uma distância razoável que não esquente demais e controle a temperatura de forma que não seja muito quente”, adverte Camila.

 

No geral a indicação é reduzir o número de banhos. Cada pelagem e raça tem uma necessidade de banhos, mas em épocas mais úmidas não há necessidade de banhos tão frequentes. É importante mantê-lo limpo, escovado e seco sempre para que não desenvolva doenças ou fique muito embaraçado.

 

Se ele não se molhar com água suja não há necessidade de banho toda vez que voltar da rua após contato com chuva. Caso haja risco de ter contato com água de enchente ou contaminada é indicado dar o banho após o contato.

 

“Além desses riscos, nessa época de muita umidade e chuva também há mais riscos de problemas respiratórios, como asma, bronquite, pneumonias e doenças respiratórias, no geral. Por isso procure sempre um médico veterinário caso observe qualquer alteração no seu animal”, finaliza Camila.

1/5
Veja também

© 2020 Jornal Lago Notícias, de Brasília - Todos os direitos reservados.