Conheça os 7 Rs da Sustentabilidade e descubra como utiliza-los na Moda
Brasília, Agosto de 2020
Por Gisele Barrozo | Designer de Moda e Empresária
  • Instagram

O olhar crítico a respeito do funcionamento da indústria da moda existe há tempos e, certamente, a pandemia atual ampliou esse horizonte.

Pelos mecanismos de produção utilizados, ela é considerada uma das mais poluente do planeta. Só para citarmos alguns exemplos, há toneladas de resíduos têxteis sendo descartados diariamente, uma quantidade desenfreada de peças produzidas a cada coleção, sem falar nos corantes químicos que, em muitos lugares, ainda são derramados diretamente no meio ambiente. 

Não e à toa que os praticantes do movimento slow questionam se realmente precisamos de uma nova coleção de roupas a cada estação ou de uma quantidade enorme de peças nos nossos closets ou guarda-roupas.

Falar de sustentabilidade na moda é refletir sobre nossos hábitos, não se trata de uma apologia a proibição do consumo, mas, sim, de mudarmos o foco, de exercitarmos uma mudança do olhar. 

Você deve estar se perguntando, então, como poderei unir moda e sustentabilidade? 

O termo Slow Fashion, como o próprio nome diz, refere-se a um consumo de moda menos desenfreado, mais consciente. É analisar cada peça que será comprada, observando sua composição, durabilidade, qualidade e a necessidade de comprá-la. É uma outra forma de lidar com a moda, também descobrindo novas oportunidades.

Pensando em auxiliar quem quer se adaptar a esse movimento, relacionamos algumas ações no âmbito da moda que podem se adequar aos propagados 7 Rãs da Sustentabilidade (reduce, reuse, recycle, research, repurpose, repair e rent).

Os dois primeiros, reduzir e reutilizar, são mais fáceis de serem compreendidos e praticados. Reduzir o consumo tem sido uma vertente em vários setores, na moda a redução é compreendida como a diminuição da aquisição de novas peças de roupa e quando necessária, que essa aquisição seja pautada na qualidade do produto.

Quanto a reutilização, está mais que consolidado que repetir roupa nunca foi tão atual. Além de demonstrar a consciência pelo meio ambiente, reforça que você valoriza o seu trabalho, o seu dinheiro e as peças que compra. Basta usar a criatividade. Em muitos casos, a questão não é referente a quantidade de roupas existentes no closet, mas tem a ver com a nossa dificuldade de combinar as peças e criar novas possibilidades.

 

Muitos tecidos também já podem ser reciclados e essa tem sido uma das opções que grandes marcas têm adotado para participarem do movimento da sustentabilidade. Grandes magazines tem criado programas para receberem de seus clientes as roupas antigas de suas marcas para serem recicladas e em contrapartida, oferecem descontos para uma próxima compra. Há várias fábricas nacionais que também tem direcionado a produção de tecidos reciclados com intuito de diminuir o impacto no meio ambiente.

Consumidor consciente também precisa pesquisar. Só saberemos qual marca apoiar se pesquisarmos sobre a forma de produção, a escolha dos produtos utilizados, o respeito ao meio ambiente, ao trabalhador ou mesmo os projetos que a marca financia ou participa, enfim, comprar de quem está constantemente reavaliando e reposicionando a atuação no mercado da moda também é nosso papel.

Uma outra possibilidade de aproveitarmos ainda mais nossas peças de roupa é descobrir que elas podem se transformar (repurpose). Na moda, inclusive, temos um termo especifico para essa finalidade, trata-se do upcycling, a possibilidade de você pegar uma peça de roupa desconstruí-la e transformá-la em outra completamente diferente. Afinal, a roupa mais sustentável é aquela que já existe. 

Aliás, por falar em habilidades, você já parou para pensar que a geração dos nossos avós e pais conferiam muito mais durabilidade as coisas em geral? Por exemplo, antigamente, as roupas não eram tão descartáveis como nos dias de hoje e consertar era sempre uma opção. Que tal resgatar essa tradição e fazer uma averiguação das peças que podem ser consertadas ou adaptas de um irmão para outro, por exemplo? Uma especialista consegue analisar várias possibilidade e resolver problemas que não imaginávamos que seriam possíveis. 

Sem dizer que trocar um forro, mudar o estilo, alterar a barra, pode dar uma sobrevida a sua roupa e gerar uma grande economia.   

Por fim, um dos negócios em crescimento no mundo da moda tem sido o aluguel. O que antes se limitava ao universo das noivas ou aos vestidos de festa, ganhou uma versão moderna e atual. Hoje existe no mercado o aluguel de roupas do dia a dia, de bolsas e sapatos. 

Um ramo em crescente expansão e que já está sendo adotado por algumas lojas no exterior. Na verdade, hoje a moda nos fornece inúmeras opções, que tal analisar o seu closet com carinho e exercitar o olhar para todas as possibilidades que a sua roupa pode te proporcionar? Boas experiências! 
 

© 2020 Jornal Lago Notícias, de Brasília - Todos os direitos reservados.