1/1
Administração do Lago Sul pede colaboração dos moradores para pesquisa do PDAD 2021
​Brasília, Maio/Junho de 2021
ASCOM Lago Sul

A Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios – PDAD 2021 já começou e, para segurança e tranquilidade dos moradores, o Governo do Distrito Federal pede a colaboração de todos os moradores e esclarece sobre como será realizada a coleta de dados, metodologia e divulgação.

A pesquisa é realizada de dois em dois anos e visitará, para entrevistas, cerca de 35 mil domicílios nas 33 Regiões Administrativas do Distrito Federal. Pesquisadores, treinados e preparados sob a supervisão da Companhia de Planejamento do Distrito Federal – Codeplan, responsável pela amostragem, farão as entrevistas para coleta dos dados em domicílios, aplicando um questionário eletrônico, com perguntas sobre o domicílio e cada um de seus moradores.

1/1

Os dados coletados irão compor o banco de dados da Codeplan, sem identificação dos moradores e de uso exclusivo da companhia. O objetivo do PDAD 2021 é conhecer mais de perto a realidade dos moradores do DF, acompanhar e atualizar a conjuntura em relação aos dados demográficos, sociais, econômicos e urbanos. Este conjunto de informações são subsídios essenciais para elaboração de políticas públicas e promoção do desenvolvimento, tanto nos aspectos econômicos como sociais.

Também, como esclarece a diretora de Estudos e Pesquisa Socioeconômicas – DIEPS, Clarissa Jahns Schlabitz, são informações que auxiliam os cidadãos na busca de direitos e melhorias de suas condições de vida e acesso aos serviços e equipamentos públicos. Ao pedir a colaboração dos moradores para que os dados coletados possam se traduzir em políticas públicas eficazes, a Codeplan ressalta alguns pontos que devem ser observados:

  • As visitas aos domicílios ocorrerão de segunda a domingo, inclusive feriados, nos horários de 8h às 20h;

  • O tempo estimado das entrevistas é de 30 a 40 minutos, variando de acordo com o número de moradores no domicílio;

  • Devem ser observados os protocolos sanitários impostos pela pandemia da Covid-19, como, por exemplo, distanciamento social, utilização de máscaras e o uso de álcool em gel;

  • Não existem perguntas sobre informações bancárias, CPF, valores, e muito menos sobre documentações pessoais.

  • O morador contemplado com a pesquisa poderá ainda agendá-la para o dia e horário que considerar mais convenientes, pelos telefones divulgados abaixo;

  • Para sanar dúvidas e esclarecimento adicionais, uma equipe estará à disposição pelos telefones (61) 3342-1102 ou (61) 3342-1349 ou ainda pelo e-mail: pdad@codeplan.df.gov.br

  • Se seu domicílio possuir interfone e se assim o desejar, poderá conceder a entrevista por este meio de comunicação.

A Administração Regional do Lago Sul reforça o pedido de colaboração dos moradores para a realização desta importante pesquisa socioeconômica do Distrito Federal, que, sem dúvida, resultará em políticas públicas modernas e eficazes, respondendo às demandas e anseios de toda a comunidade.

Programa começa a recuperar Orla Sul do
Lago Paranoá com plantio de espécies nativas

Em pouco mais de três, a Orla Sul do Lago Paranoá terá um novo visual, com vegetação suficiente para proteger as encostas, as nascentes e garantir a preservação do Lago, referência ambiental e histórica para a Capital Federal.

Nesta primeira fase, coordenada pela Secretaria de Meio Ambiente e o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) e executado pelo Instituto Rede Terra, foram recuperados 63 hectares desta extensa área, localizados entre a Ermida Dom Bosco e Arie Riacho Fundo, passando pelo Parque Ermida Dom Bosco, QL 26, 24, 22, 20, Parque Graça Branca, QL 16, Arie do Bosque, QL 8, 4 e 2.

Já foram plantadas mais de 33 mil mudas de diferentes espécies nativas, utilizando diferentes técnicas e metodologias, já testadas com êxito em programas de recuperação de áreas degradadas do Cerrado Brasileiro.

A próxima etapa do Programa de Recuperação das Áreas Degradadas da Orla do Paranoá inclui capina seletiva, tratamentos fitossanitários e controle biológico, tudo isso para garantir o desenvolvimento saudável destas espécies, entre elas, cerca de 400 mudas de ipês de várias cores.

Flávia Stela, coordenadora Institucional do Projeto pelo Instituto Rede Terra, destaca a importância da participação efetiva dos moradores do Lago Sul, que serão fundamentais na conservação e manutenção desta nova vegetação. Stela ressalta ainda o trabalho em parceria com a Administração Regional do Lago Sul, que tem prestado integral apoio ao desenvolvimento do projeto.

O Programa de Recuperação das Áreas Degradadas da Orla do Paranoá, coordenado pela Secretaria de Meio Ambiente, através do Instituto Brasília Ambiental, conta ainda com o apoio do Batalhão da Polícia Militar Ambiental, Marinha do Brasil, SLU, Administração do Jardim Botânico de Brasília, Administração Regional do Park Way, além de pesquisadores de capivaras (UCB, UnB e Emater).

1/1

© 2021 Jornal Lago Notícias, de Brasília - Todos os direitos reservados.