1/2
​Brasília, Maio/Junho de 2021
Prática do conhecimento
e da inteligência
GESTÃO & DETERMINAÇÃO  |  ​Dr. Agnelo C. Fernandes, Assessor jurídico e empresarial

Nos revela que no dia em que você for capaz de usar o bom-senso e o discernimento com perspicácia e sabedoria para decifrar o código do altruísmo, de acordo com a forma abaixo preceituada pelo Dr. Augusto Cury, com certeza plena, você vai descobrir a sua própria razão de ser e o prazer de viver. “O código do Altruísmo é o segredo da afetividade social, da capacidade de se doar, de cuidar e proteger quem nos cerca. É o código que expressa a grandeza da alma, a generosidade, a bondade, a compaixão, a indulgência e o desprendimento. É o código que nos vacina contra toda forma de descriminação e contra o estrelismo, o individualismo e o egocentrismo.

press to zoom

press to zoom
1/1

O altruísmo é o reflexo da nossa humanidade, quanto mais altruístas, mais humanos somos. Quanto mais ególatras e individualistas somos, mais expressamos nossa natureza animal ou instintiva, mais nos tornamos agentes da exclusão e da agressividade. O Código do Altruísmo nos faz solidarizar com quem falha, condoer-nos com o sofrimento do outro, retirá-los do isolamento, incluí-los, encorajá-los, estimulá-los.
 

Quem desenvolve esse código torna-se um ser humano sem fronteira. Tem plena consciência deque somos seres humanos acima de sermos americanos, chineses, árabes, judeus, intelectuais, iletrados. Por isso, o exercício pleno do Código do Altruísmo é desenvolver a paixão pela humanidade e a capacidade de se colocar no lugar do outro para perceber seus sentimentos, desenvolver suas necessidades.
 

Quem deseja decifrar ao longo da vida o Código do Altruísmo deve entender e aplicar estes fenômenos: 1) Quem ama o poder não é digno dele; 2) Quem controla as pessoas que lidera, não é digno de ser um líder; 3) O poder político, científico, social dever ser usado para promover os outros e não para subjugá-los; 4) Os olhos da face enxergam comportamentos visíveis; os olhos altruístas enxergam o que está por trás deles; 5) Ser apaixonado pela humanidade: doar-se e contribuir com a sociedade não deve ser um sacrifício e nem propaganda política, mas um insondável prazer que deve ser feito sem propagandismo; 6) Apostar no ser humano é acreditar na vida, mesmo que as pessoas e as circunstâncias que nos cercam nos estimulem a ser pessimistas; 7) Ser pessoa repleta de gratidão. Ser rápido em agradecer e lento em reclamar”.

1/1