1/2
Fox Eyes: riscos para a visão do procedimento que virou febre
Brasília, Setembro de 2020
Com Dr. Hilton Medeiros, Oftalmologista  (CRM-DF 7469) 

Alongar os olhos para ficar com o “fox eyes” ou “olhos de raposa” é a nova mania do universo da beleza. O procedimento cirúrgico eleva a cauda do supercílio, num efeito lifting, resultando num olhar mais sensual e bonito. Existem várias técnicas para alcançar o resultado que caiu no gosto de famosas e influenciadoras digitais. Flavia Pavanelli, Gabi Prado e Flay foram algumas das que assumiram terem feito a cirurgia.

 

No entanto, antes de qualquer intervenção nesta região, é fundamental que o oftalmologista seja consultado. “Se a paciente tiver olho seco, por exemplo, o quadro pode piorar muito e ela ficar dependente de colírios”, explica o oftalmologista Hilton Medeiros, da Clínica de Olhos Dr. João Eugenio.

 

Segundo o médico, as pálpebras são móveis para acompanhar o movimento natural do globo ocular, bem como promover a lubrificação e a drenagem da lágrima. “O procedimento refixa o canto externo da pálpebra na órbita e isso pode causar assimetria ou impedir o correto fechamento dos olhos, deixando a córnea exposta e levando a processos inflamatórios crônicos e até mesmo lesões na superfície ocular com sérios prejuízos para a visão”, esclarece o médico.

Outras consequências que podem ocorrer com o “Fox Eyes” são lesões na glândula lacrimal, resultando em deficiência na produção de lágrimas.

 

Hilton Medeiros não recomenda o procedimento para quem tem síndrome de olhos seco grave, doenças autoimunes não controladas, hipertensão, diabetes, infecção de pele no local ou faça uso de anticoagulantes.

Algumas técnicas

Blefaroplastia: a técnica do Fox Eyes pode ser feita durante a cirurgia de blefaroplastia, que é indicada para retirada do excesso de pele e bolsas de gordura das pálpebras. Seu resultado é prolongado. 

 

Lifting de supercílio: cirurgia endoscópica para elevação da cauda da sobrancelha.  São realizados dois cortes pequenos no couro cabeludo, na região frontal ou pela pálpebra superior. O resultado é prolongado.

 

Fios de sustentação facial: intervenção cirúrgica para aplicar fios de sustentação facila, com a função de elevar a cauda da sobrancelha, aliviando a sobreposição da pele nos cílios. Promovem uma tração da cauda do supercílio em direção ao couro cabeludo (região temporal). Duração aproximada de 18 a 24 meses. 

 

Ultraformer: utiliza-se o ultrassom para elevar os músculos externos dos olhos, relaxando o local interior para dar mais suavidade no efeito. Age provocando microlesões na pele e musculatura, promovendo um lifting na área aplicada.  Duração média de 12 a 18 meses.

 

Toxina botulínica: arqueamento da lateral da sobrancelha pela aplicação de toxina botulínica em pontos específicos da região frontal (testa). Duração do efeito de 4 a 6 meses.

1/2
Veja também

© 2020 Jornal Lago Notícias, de Brasília - Todos os direitos reservados.